Descrição

Sinopse

Gabriel é um menino de 8 anos que gosta de dançar, ao mesmo tempo em que joga futebol e toca rock. Mas, na escola onde estuda, não querem que ele faça aula de dança só porque é menino. As dúvidas e reflexões sobre as diferenças na educação de meninas e meninos marcam a narrativa central do musical infantil “Gabriel só quer ser ele mesmo”

 

Serviço

Onde: EcoVilla Ri Happy: Rua Jardim Botânico, 1008 – Jardim Botânico – Telefone: 3553-2616

Temporada: 17 a 25 de fevereiro de 2024

Dias e horários: sábados e domingos, às 16h

Ingressos: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia-entrada)

Lotação: 350 pessoas

Duração: 50 minutos

Classificação: Livre.

Venda de ingressos: na bilheteria da EcoVilla ou no site

Eventim: https://www.eventim.com.br/artist/ecovilla/gabriel-so-quer-ser-ele-mesmo-3561288/

A bilheteria funciona às sextas, das 13h às 22h e aos sábados e domingos, das 10h às 22h.

 

Não é preciso comprar a entrada do Parque, apenas o ingresso para a programação.

 

Redes do Musical “Gabriel só quer ser ele mesmo”

Instagram: https://www.instagram.com/gabrielsoquerserelemesmo/

Facebook: https://www.facebook.com/profile.php?id=100057033116950

 

Ficha Técnica

Texto: Renata Mizrahi;

Direção: Renata Mizrahi e Priscila Vidca;

Elenco: Aline Carrocino, Clara Santhana, Julia Ludolf, Marcos França, Paulo Verlings e Udyle Procópio.

Músicas: Renata Mizrahi e Marcelo Rezende;

Direção musical: Marcelo Rezende;

Direção de produção: Priscila Vidca e Renata Mizrahi

Produção executiva: Vidinha

Cenário: Mina Quental;

Iluminação: Ana Luzia Molinari;

Figurino: Flávio Souza;

Fotografias: Dalton Valério

Idealização: Renata Mizrahi e Teatro de Nós Produções Artísticas.

 

Outras Informações

Com indicações em 8 categorias do Prêmio CBTIJ, o espetáculo infantil da premiada dramaturga Renata Mizrahi questiona, com leveza e humor, as diferenças na educação de meninos e meninas. As músicas são tocadas ao vivo pelo elenco.

 

O espetáculo acaba de ser indicado em oito categorias do Prêmio CBTIJ, o maior prêmio de Teatro para infância do Rio de Janeiro: Melhor Texto Original (Renata Mizrahi), Melhor Direção (Renata Mizrahi e Priscila Vidca), Melhor Música Original (Renata Mizrahi e Marcelo Rezende), Melhor Ator (Paulo Verlings), Melhor Atriz em Papel Coadjuvante (Clara Santhana e Nathália Colón), Melhor Preparação Corporal (Renata Mizrahi e Priscila Vidca) e Melhor Fotografia de Cena (Dalton Valério). O musical está há quatro anos em circulação por todo o país, sempre com sucesso de público.

 

Com texto da premiada dramaturga Renata Mizrahi – que também assina a direção ao lado de Priscila Vidca – e direção musical de Marcelo Rezende, o espetáculo conta a história de Gabriel, um menino de 8 anos, vivido por Paulo Verlings, que ama dançar e defende isso dentro da sua escola. Desta forma, a peça questiona, com leveza e humor, as diferenças na educação de meninos e meninas e as expectativas dos pais e professores em relação às crianças.

 

A trama tem início no aniversário de 9 anos de Gabriel, quando o garoto expõe o medo de que ninguém apareça na sua festa devido aos inúmeros questionamentos feitos durante o ano na escola. A história, então, é contada em formato de flashbacks, mostrando momentos em que tentaram impor à criança comportamentos baseados em estereótipos de gênero. Estão no elenco, Paulo Verlings, Aline Carrocino, Julia Ludolf, Marcos França, Udylê Procópio e Clara Santhana.

 

A ideia surgiu depois que a dramaturga Renata Mizrahi assistiu ao documentário americano “The Mask You Live In”. Segundo o filme, desde a infância os garotos começam a brigar se alguém lhes diz “Quem aqui é a mulherzinha?”, demonstrando como o não reconhecimento da sua masculinidade parece torná-los fracos e “menininhas” – no caso, ser “menininha” é considerado insulto.

 

“Isso tem início nos primeiros anos e se arrasta por toda a vida”, lamenta Renata Mizrahi. “A hipermasculinização e hiperfeminilização se impõem às crianças desde o começo da vida. Até os brinquedos que são destinados para um ou para o outro são reflexos de uma tentativa de simplificar o mundo baseado em estereótipos de gênero, cuja origem não passa de mera construção social. “Com este espetáculo, quero provocar a reflexão sobre educação infantil, sobre o quanto deixamos as crianças serem quem são, ou se estamos oprimindo a partir de uma conduta social automatizada”, completa a autora.

 

O espetáculo “Gabriel só quer ser ele mesmo” traz músicas originais em seus 50 minutos de duração – todas criadas por Renata e Marcelo Rezende e interpretadas pelo elenco que, além de cantar, toca instrumentos como violão, pandeiro, kazoo, escaleta, tambor grave, castanhola, agogô de coco, chocalho pequeno, ukulele e triângulo.

 

Outro destaque é o cenário assinado por Mina Quental, idealizado em cima cubos coloridos e de acessórios que simbolizam as mudanças de ambientes como o apartamento de Gabriel, a sala de aula e o pátio da escola. Também fazem parte da equipe criativa Ana Luzia Molinari (iluminação) e Flávio Souza (figurino).

 

Histórico do musical

 

O espetáculo ganhou 1º lugar no edital da Eletrobrás Furnas em 2019 e estreou em janeiro de 2020, no Sesc Tijuca, no Rio de Janeiro. Durante a pandemia, fez sessões on-line gratuitas nas unidades do Sesc Rio. Em outubro de 2021, retornou presencialmente no Teatro Petra Gold, com uma temporada de um mês, obtendo enorme sucesso de público e ganhou primeiro lugar no Circuito Sesi, onde se apresentou em novembro nos teatros Sesi Duque de Caxias e Jacarepaguá.

 

Em agosto de 2022, o musical foi apresentado no Sesc Valença (RJ) e fez três apresentações no Teatro dos 4, no Shopping da Gávea. Também fez uma apresentação para as turmas da escola São Vicente de Paula (Cosme Velho) e para a Ong Vinde A Mim, na Tijuca, também no Rio de Janeiro. Em 2022, ficou novamente em 1º lugar – desta vez, no edital de Ocupação Glauce Rocha da Funarte, e se apresentou no mês de abril de 2023, com sucesso de público.

 

Em junho, a peça se apresentou no Festival do Midrash. Em julho, fez duas apresentações em Itaguaí através do edital da Vale e foi selecionada para o Festival de Teatro Musical de Niterói. Em agosto, a peça se apresentou no Festival de Teatro do CBTIJ, na Arena Jovelina Pérola Negra. Em outubro a peça lotou o Teatro Arthur de Azevedo em São Luís do Maranhão. Em março de 2024 a peça se apresenta em Belém do Pará.